O jiu-jitsu no auxílio às crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

Foto: Jiu-Jitsu Academy

O jiu-jitsu está entre as artes marciais com maior procura entre o público kids, aqui podemos destacar a disciplina, regras e a organização que a arte suave proporciona para as crianças neste primeiro contato.

Mas o que vem chamando a atenção é o beneficio que a arte suave está trazendo as crianças com o TDA (transtorno de déficit de atenção) e o TDAH (transtorno de déficit de atenção com hiperatividade). Sim, essa é uma disfunção neuropsicológica que afeta cerca de 5% das crianças do mundo e dura por toda a vida, a arte suave muitas vezes auxilia às crianças a terem mais disciplina em suas atividades sem depender de medicamentos, sendo uma organização com regras e uma atitude de para e pensa, e de obediência, nenhuma técnica é ensinada até a criança aprender a parar, a ouvir e a pensar.

A arte suave possui um histórico de disciplina, autocontrole e autoconfiança. Auxiliando assim na hiperatividade, sendo assim às crianças passam a se sentir mais confiantes, com maior autocontrole e muito mais disciplinados, aprendem alguns valores e fortalecem outros, alguns muitas vezes passam a não ter mais a necessidade do uso de qualquer tipo de medicamento

Muito dos casos estudados com crianças tem como consequência uma grande melhora após o começo da pratica da arte suave, ela ajuda a desenvolver muitos aspectos positivos para qualquer criança, inclusive às hiperativas, já que elas têm toda uma história e cultura de autocontrole, autoconfiança e muita disciplina, assim como afirma Cartaxo (2011, p. 16): “A filosofia das lutas tem como ensinamento procurar tornar o indivíduo praticante um ser cada vez mais dominante de suas ações.”

Sempre que desenvolve o conhecimento da técnica, é necessário também desenvolver o respeito e o caráter. É muito importante que nunca se obrigue a criança a praticar qualquer modalidade de luta ou arte marcial, devendo-se apenas incentivá-las a praticá-las, para que elas não percam o gosto pela modalidade. Os preceitos filosóficos que regem o jiu-jitsu brasileiro vão muito além do simples fato de vestir um quimono e aprender técnicas de defesa pessoal e chaves de alavanca. Devem-se levar em consideração que os princípios que norteavam os samurais na época eram virtudes, éticas, tais como honra, honestidade e bondade.

Muitos pais procuram a arte suave como meio de auxílio às crianças agitadas, tendo ou não o TDAH, visto seu histórico de melhora em alguns casos e, principalmente, sua história de disciplina. Naturalmente, todo pai que pensa em colocar seu filho para práticas, gostaria de saber a metodologia usada pelo professor. Essas informações são de suma importância e devem ser dadas de forma clara e objetiva. Inicialmente, utilizando sua competência pedagógica, o professor deverá mostrar aos pais a importância de se praticar como desenvolvimento sociocultural e como autodefesa.

Constatou-se que crianças com TDAH já conseguem através do jiu-jitsu  melhorar suas relações interpessoais, bem como o comportamento. Alguns especialistas, como psicomotricistas, terapeutas, psicólogos e psicopedagogos que tratam desses transtornos, aprovam a atividade de luta para essas crianças como uma excelente terapia.

Posts relacionados

Entrevista com Quézia Braga

Hoje conversamos com a Quezia Braga, faixa marrom da Atos Weatherford, TX. Ela nos contou hoje um pouco sobre como conheceu o jiu-jitsu, como é