Quem você é dentro do tatame?


Sua personalidade revela muito sobre você. Mas, qual a sua personalidade dentro do tatame? Você assume sua postura mesmo nos dias mais complicados? E quando por algum motivo rola aquele desentendimento com algum colega de treino? Quando seu mestre não está em um dos melhores dias e você torna-se o alvo, mesmo que ele não perceba? O que acontece com seu desenvolvimento pessoal dentro do tatame quando sua vida fora dele está um triângulo invertido e você se sente sufocado?

Bom, você sabia que sua vida fora do tatame, muitas vezes reflete quem você é dentro dele? Pois é! A maioria das pessoas não percebe isso e sempre trata com uma certa “normalidade” aquela falta de humor e interesse durante os treinos. Porém é inevitável que os problemas e alegrias do dia a dia não entrem com você no tatame. Seria até um pouco curioso questionar se a postura de quem recebeu uma promoção no trabalho é a mesma de quem recebeu diversas reclamações do chefe. O jiu-jitsu por si só possui uma função essencial na vida do praticante; a filosofia da arte suave é capaz de abrir novos horizontes extraordinários e minimizar esses pequenos problemas (ou nossa forma de lidar com eles), quando somos afrontados pelos mesmos. Para aqueles que buscam aprender com o jiu-jitsu, entendem que quando nosso corpo é levado ao extremo cansaço, nossa mente encontra a calmaria, o repouso, o equilíbrio e a energia a qual necessita.

O jiu-jitsu nos ajuda a absorver a cada nova experiência, não apenas novas técnicas e habilidades ou amigos que muitas vezes assumem o trabalho de psicólogos, como também o perfeito equilíbrio psicológico, a paz, o bem-estar, a serenidade, a razão, a autoconfiança, e a saúde da qual nosso corpo, alma e mente necessita. Toda a filosofia tem um propósito e nada acontece simplesmente por acaso!

Como exemplo, podemos citar quando estamos presos sob uma montada, precisamos manter a calma, nada de desespero, — você tem consciência de que um movimento errado e logo será finalizado com um armlock, triângulo, gravata lateral, etc.– optamos então por imobilizar um braço, prender o pé do mesmo lado que o braço ao qual imobilizamos e girar o oponente para o lado dominado, se possível, passaremos a guarda e quem estava sendo finalizado, agora está dando as cartas de finalização. É fácil na teoria? Saiba que é possível na prática! Por que então, levarmos tantos problemas para o tatame, se podemos finalizar cada um deles no mesmo lugar em que os próprios tentaram nos finalizar?

Aprenda a imobilizar suas dificuldades e barreiras, seus problemas e estresse, seu mau humor e seu ego, prenda os pés para que não possam levantar-se, os balance, destabilize um por um, e por fim, os lance para o chão, para o grande tatame da vida, em que você realmente tem inimigos, agora quem dá as regras é você! Passe por cima, esmague-os, finalize-os. Jamais permita que os problemas do dia a dia reflitam mais no tatame do que suas metas diárias. Não permita que tenha a autoridade de dizer quem você é, que te rotulem dentro do tatame, porque eu sei bem: você é incrivelmente melhor do que você pensa que é!

Oss.

Qual sua reação

Curtir Curtir
0
Curtir
Amei Amei
0
Amei
Haha Haha
0
Haha
uau uau
0
uau
Triste Triste
0
Triste
Grr Grr
0
Grr

Comments 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem você é dentro do tatame?

log in

reset password

Voltar para
log in