A tal da força do ódio… é força mesmo ou é fraqueza interna?


Muito se fala hoje em dia sobre a “força do ódio”. Já virou meme e piada nos tatames. Quem já não ouviu o “só na força do ódio” ou” quem acorda com energia é usina, jiujiteiro acorda na força do ódio”.

Quero trazer uma reflexão a respeito. Em tempos de fast information, em que todos somos generalistas de vários assuntos e especialistas de nada, muitas vezes não paramos para refletir o que falamos. Somente vamos repetindo o que achamos superficialmente engraçado e assim vamos sendo “legais” e convivendo em sociedade, nos nossos núcleos (família, amigos, tatame, etc). A palavra meme, por sinal, vem do grego imitação, ou seja, vamos somente repetindo o que ouvimos, por que achamos engraçado ou legal, compartilhamos e esta informação vai se propagando entre estados, cidades e pelo mundo afora muitas vezes ou vice e versa.

Com os memes da “força do ódio” no jiu-jitsu não é diferente. Tive uma formação pautada em autoconhecimento e uma vez me ensinaram que a primeira reação de um animal acuado é a violência. O que nos diferencia dos animais é que somos seres humanos racionais, pensantes.

O que eu penso escuto alguém repetindo este jargão: será que o ódio que nos move, nos leva para algum lugar positivo? Será que esta pessoa com a força do ódio é realmente forte mesmo ou somente um animal acuado? Será que o tatame é um lugar para se ter ódio ou para se ter prazer e ser feliz, ao lado de quem empresta o corpo para aprendermos uma arte marcial tão engrandecedora? Será que o ódio nos permite enxergar tudo isso ou nos cega? Será que sermos reativos estamos no comando de nós mesmos ou quem está no controle é quem nos provoca tais reações.

Não tenho medo que me achem piegas, talvez essa mensagem possa servir para você que está passando por um período difícil da sua vida e acaba por descontar sua raiva e frustração em outras pessoas. Tente se conhecer melhor. Respirar. Analise o que te faz bem e o que não faz. Para muitos, a hora de entrar no tatame é a melhor hora do dia. Encontre no jiu-jitsu um caminho para ver que nem sempre a força e o ódio vencem (muito pelo contrário…) mas a técnica, parcimônia e flexibilidade. Assim também é a vida. Muito amor e jiu jitsu para vocês!

Qual sua reação

Curtir Curtir
1
Curtir
Amei Amei
9
Amei
Haha Haha
0
Haha
uau uau
0
uau
Triste Triste
0
Triste
Grr Grr
0
Grr

Comments 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A tal da força do ódio… é força mesmo ou é fraqueza interna?

log in

reset password

Voltar para
log in