O equilíbrio entre o peso e o amor de ser árbitra, Morena Ortiz conta pra gente


morena ortiz árbitra

Se no Jiu Jitsu já sentimos um pouco de dificuldade para treinar pelo quesito ser mulher, com comportamentos preconceituosos e muitas vezes subestimadas, imagine você como deve ser para uma árbitra. Nós já sabemos que ser árbitro tem uma responsabilidade imensa, e quando se trata de ser uma árbitra, ou melhor, a única árbitra até pouco tempo na confederação Brasileira de Jiu Jitsu, isso tem um peso ainda maior.
No bate papo de hoje, eu conversei com a “Morena” Ortiz, assim ela é conhecida pela maioria no meio do BJJ, faixa preta da Gracie Barra e arbitra da IBJJF.
Morena respondeu algumas perguntas que falam um pouco da sua trajetória, de como pode ser difícil conquistar espaço e respeito no Jiu Jitsu para as mulheres, mas não impossível quando você persevera e se dedica.

1. Conte-nos um pouco da sua trajetória na arte suave
Minha vida no Jiu Jitsu deve ser parecida com a de muita gente que adora treinar o dia todo, estar na atividade, e estar feliz. Tinha Jiu Jitsu na minha academia, mas eu treinava capoeira, era o “must” pra mim.

Uma tarde depois do Treino de Capoeira o Duda (Eduardo Alexandre Machado) insistiu (ele tentou várias vezes) em me mostrar uma raspagem de gancho, enfim aceitei, e fiquei impressionada, achei fácil, gostei da sensação, pois o Jiu Jitsu só da o real sentimento na prática, ai resolvi treinar por um tempo por curiosidade mesmo, sem deixar nada de lado, capoeira e sobretudo, maromba, corridas etc. E igual diz a letra do Caetano:”Aos poucos vi a minha vida amarrada no seu passo”, o Jiu Jitsu é muito maneiro, nunca acaba, tem diversão, inteligência e nunca é igual.

O Pedro Pacheco Fernandes “Pedrinho” foi meu mestre, agora mora na Nova Zelândia, e ele é o “Must”, no ano que ele mudou pra lá, foi quando peguei a faixa marrom e já entendia um pouco melhor o mundo, entender que o Jiu Jitsu tem que fazer pontes e não muros. Depois dele tive muitos professores importantes na minha vida e no meu aprendizado, tem gente que até me zoa por isso, mas como sempre, eu sigo em frente e não ligo.

A Gracie Barra é minha equipe, e o mestre Carlinhos sempre uma fortaleza de sabedoria, é o nosso mestre. Sinto muita felicidade e sorte por esses encontros tão importantes, até hoje, quando possível treino com os alguns desses professores, por exemplo, o Pelezinho da Black Gym.

 

2. O que levou você a querer arbitrar no Jiu Jitsu? 

Eu fiz educação física, e entendi desde o início que cada modalidade é norteada por sua própria regra. O Jiu-Jitsu não é diferente. Na época da Liga Catarinense de Jiu-Jitsu, na qual trabalhei na organização, a intenção da liga era fortalecer as competições e com isso o esporte em si, eu era faixa roxa na época, tivemos algumas clínicas de regras e arbitragem com o Professor Paulo Sérgio, que era o diretor de Arbitragem. Quanto mais você entende a regra, melhor você luta.
Na faixa marrom fiz o curso da IBJJF/CBJJ com o mestre Álvaro Mansur, nesta mesma visão.

Depois, na faixa preta para fazer a diplomação da CBJJ de faixa preta, é obrigatorio o curso e as provas.
E eu nesta oportunidade foi aprovada com nota para árbitro, nessa época eu não tinha a noção de que era um curso muito difícil de aprovação, não pela dificuldade mas pela falta de conhecimento e entendimento da regra pela maioria, sobretudo nas provas de vídeo.

Um tempo depois, tivemos um campeonato Sul Brasileiro, e o mestre Álvaro me convidou para a reunião de árbitros que antecede o campeonato, e nesta ocasião, eu soube da minha classificação no curso e mestre Álvaro praticamente me “obrigou” a fazer o estágio neste evento (risos), falando do meu potencial, perfil e etc.
Não há mulheres arbitrando, esse é o primeiro muro.
Sem a menor intenção, só fui me dar conta que eu tinha atuado como árbitro, quando acabou o campeonato.

Após isso entendi quanto é necessário estudar, ver lutas, treinar, fazer as qualificações para estar apto a conduzir a luta, e depois de passar pela experiência, pelo”teste”, várias perguntas surgiram na minha cabeça:

Gostei disso? Tenho competência? Faço bem? Tô preparada? Sou imparcial? O stress altera meu discernimento? E a concentração necessária? Arbitrar nesse mundo masculino, onde até as atletas do feminino estranham? Tenho a dedicação necessária? Quero pagar esse preço? E muitas outras questões.

E o que mais “pesa” é que o árbitro decide, muitas vezes, o destino de uma luta, e assim dos atletas.
Por isso o acerto é fundamental, fato que resisto desde 2009, e gosto muito.

 

3. Você ja enfrentou ou enfrenta algum preconceito, qual sua reação diante disso?

Evidentemente que sim. O Mundo é preconceituoso em relação a quase tudo. O tempo e a trajetória diminuíram um pouco isso, você precisa se provar! Atualmente os professores têm aprendido a regra, pra facilitar o nosso trabalho.
Esse é o grande problema, ignorar, não saber o regulamento, aí quando a decisão do árbitro não converge com a opinião deles, tá estabelecido o problema. E uma figura feminina conduzindo o trabalho nesse universo masculino é muito desafiador.

Quanto ao meu comportamento em relação a qualquer desafio, especialmente esse, procuro me preparar cada vez mais e humildemente manter o bom humor. Sempre faço uma análise de qualquer situação, seja boa ou ruim e seja qual for, sempre será ‘fortalecimento’, um eterno “treino”, é Jiu Jitsu, então precisa vivê-lo!

 

4. O que é preciso para ser uma árbitra?

Para se tornar um árbitro, é necessário ser faixa preta, no mínimo marrom, (diplomado) com qualificação para árbitro, através de curso, prova teórica e de vídeo , obtendo a nota mínima, que atualmente acho que é 8,5.
Este curso da CBJJ é muito bom, e o terrorismo de muita gente, pois é muito difícil alcançar aprovação.
Depois disso, haverá um estágio em algum campeonato, para os que tiverem perfil, e a partir daí vai de acordo com o empenho e desempenho.

 

5. Se você pudesse aconselhar mais mulheres que queiram seguir essa profissão de arbitrar, o que você diria?

Geralmente não aconselho nada para ninguém (risos), porém, no caso da arbitragem do Jiu-Jitsu, acredito que antes de tudo tem que correr atrás de treino, treinar e treinar, entender a luta, entender a aplicação da regra na prática.
Sem obviamente falar nas qualidades de carácter e ética.

Estar preparado para trabalhar sobre extrema pressão, gritaria, barulho, cansaço etc.
Mas sobretudo cada um tem que gostar muito do que faz, é a primeira etapa pra fazer bem, a dedicação, concentração, empenho são características de vencedores em qualquer assunto.

 

Qual sua reação

Curtir Curtir
5
Curtir
Amei Amei
0
Amei
Haha Haha
0
Haha
uau uau
1
uau
Triste Triste
0
Triste
Grr Grr
1
Grr

Comments 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O equilíbrio entre o peso e o amor de ser árbitra, Morena Ortiz conta pra gente

log in

reset password

Voltar para
log in